terça-feira, 15 de dezembro de 2015

Embalando

No embalo sereno do meu corpo
Flutua minh'alma primaveril
No embalo ameno do meu canto
Mergulho meu ser num mar anil

No embalo do meu olhar profundo
Melódicas vozes ecoam no meu mundo
Vejo, então, um campo imenso florido
Simplesmente por ter me ouvido

E agora, o que será dessa semente
No  interior desse meu ser
Não mais adormecido?